Domingo
18 de Agosto de 2019 - 

News

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,99 3,99
EURO 4,43 4,43
LIBRA ES ... 4,85 4,85

Previsão do tempo

Hoje - Contagem, MG

Máx
28ºC
Min
11ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Contag...

Máx
30ºC
Min
13ºC
Parcialmente Nublado

NJ - Motorista que praticou atos ilegais por ordem da empresa não consegue indenização

O juiz André Vitor Araújo Chaves, em sua atuação na 2ª Vara do Trabalho de Sete Lagoas, negou o pedido de indenização feito por um motorista que alegou ter sido obrigado a praticar condutas ilegais, em cumprimento a ordens da empregadora, uma transportadora. O trabalhador alegou que recebia ordens para “furar o pedágio”, passando por cima das cancelas em alta velocidade, sem pagar a tarifa. Justificou que cumpria a determinação porque a empresa não restituía os valores desembolsados no pagamento das taxas de pedágio. Afirmou que era pressionado a assumir multas e despesas decorrentes do dano causado à concessionária, embora a conduta ilegal decorresse do cumprimento de ordens da empregadora. Era compelido a fraudar o sistema de fiscalização de peso de carga e impostos, transportando mercadorias sem notas ou com "notas frias". Todo esse contexto, segundo o motorista, teria lhe causado prejuízo moral e, por isso, pediu o pagamento de indenização. Mas o magistrado não apenas rejeitou a pretensão, como entendeu que o motorista agiu como “cúmplice” da empregadora. , considerou na decisão. De acordo com o juiz, apesar de estar subordinado juridicamente à empregadora, o profissional não estava obrigado ao cumprimento de ordens manifestamente ilegais. , avaliou. Para o julgador, o empregado deveria ter se negado a agir contra a lei. Lembrou ainda que o motorista poderia ter buscado proteção legal, com base no artigo 483 da CLT, que trata da rescisão indireta do contrato de trabalho. O dispositivo prevê que: . Ainda conforme entendeu o julgador, empregado que cumpre ordem ilegal não merece ser indenizado por dano moral. Somente quando há recusa e depois é dispensado. Nos termos da decisão, o vínculo de emprego não imputa no empregado coação moral irresistível para fazê-lo vítima. Quer queira, quer não, a decisão pelo ilícito, foi do empregado. Por tudo isso, negou o pedido de indenização por danos morais. O motorista recorreu, mas a decisão foi mantida pelo TRT de Minas.  
17/07/2019 (00:00)
Visitas no site:  1011901
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia

Contate-nos

Frederico Teotônio - Advocacia & Consultoria Jurídica

Av. João César de Oliveira  3.603  1º Andar - Sala 104
-  Eldorado
 -  Contagem / MG
-  CEP: 32340-001
+55 (31) 3991-5700+55 (31) 9177-9896
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.